Hospital orienta população para prevenir infecção generalizada

1


O Hospital Regional do Sudeste do Pará Dr. Geraldo Veloso (HRSP), em Marabá, promove neste mês uma programação especial para alertar colaboradores e usuários sobre cuidados que podem ajudar a prevenir a sepse, infecção generalizada que mata mais que o câncer e o infarto agudo do miocárdio. Estima-se que, no Brasil, 400 mil novos casos são identificados anualmente. Destes, 50% das vítimas vão a óbito.

A doença ocorre quando um microrganismo, como vírus, bactéria ou fungo, entra na corrente sanguínea e atinge o sistema imunológico do indivíduo, provocando sintomas como temperatura acima de 38ºC ou inferior a 35ºC, respiração muito rápida, calafrios e confusão mental. O resultado pode ser a falência de um ou mais órgãos.

De acordo com a supervisora do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) do hospital, Daiane Freitas, qualquer infecção pode ser porta de entrada para a sepse, desde um dente infeccionado a uma pneumonia mal curada, porém, por conta da baixa imunidade, idosos, crianças, usuários de álcool e drogas, pacientes internados e portadores de doenças crônicas, como diabetes e insuficiência cardíaca, estão mais suscetíveis ao problema. 

“A sepse é vista pela maioria das pessoas como uma doença que acomete somente pacientes internados, mas não é. Qualquer infecção não tratada ou mal tratada pode levar a uma sepse. Então, muitas vezes, o paciente já é admitido nas unidades de saúde com a doença. Para prevenir ou reduzir o risco de apresentar a forma mais grave do problema, é importante higienizar sempre as mãos, ter uma alimentação saudável e usar medicamentos somente com prescrição médica’, explicou a enfermeira. 

Paralela às palestras educativas, a Comissão de Revisão de Óbito (CRO) realiza blitzes nas Unidades de Terapia Intensiva do hospital para alertar enfermeiros e técnicos de Enfermagem sobre os sintomas da doença e as condutas que devem ser adotadas nas primeiras horas de atendimento, fundamentais para a recuperação do paciente.

Público e gerenciado pela Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar, sob contrato com a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), o Hospital Regional do Sudeste do Pará também orientará usuários ambulatoriais sobre o assunto. Na próxima quarta-feira, 20, a Comissão de Farmácia e Terapêutica fará uma palestra sobre os perigos da automedicação, um dos agravantes durante o tratamento da sepse.




comments icon 0 comments
0 notas
Visto 44
bookmark icon

Escreva um comentário...

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *