Programa de Alfabetização atende mais de 141 mil crianças

1


No Dia da Criança, celebrado nesta quinta-feira (12), a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) comemora os resultados de projetos direcionados à Educação Infantil. O principal é o Pacto Nacional Pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic), que já alcançou mais de 141 mil crianças em 143 municípios. O Pnaic é um programa do Ministério da Educação desenvolvido em parceria com estados e municípios, para assegurar que todas as crianças estejam alfabetizadas até os 8 anos de idade, ao final do 3º ano do Ensino Fundamental.

No Pará, o Pacto começou a ser desenvolvido pela Seduc em 2013, integrando o Programa de Melhoria da Qualidade e Expansão da Cobertura da Educação Básica no Estado do Pará. Atualmente, o programa conta com a participação de 1.180 professores alfabetizadores, que atuam em 300 escolas estaduais e 800 escolas municipais.

A secretária de Estado de Educação, Ana Claudia Serruya Hage, afirma que apenas a educação é capaz de equacionar as diferenças sociais. “O salto de qualidade de vida, a garantia de formação profissional e a conquista de emprego e renda no futuro começa na infância, com a alfabetização. É onde o sonho começa”, ressalta a secretária.

Eixos – As ações do Pnaic são consolidadas em quatro eixos: formação continuada de professores alfabetizadores e orientadores; distribuição de material didático, incluindo obras literárias, obras de apoio pedagógico, jogos e tecnologias educacionais; avaliação sistemática externa, e gestão, mobilização e controle social.

A professora Estela Mares, alfabetizadora da Escola Esther Bandeira, no Bairro da Sacramenta, em Belém, já participou de formações. Ela diz que sua prática em sala de aula melhorou muito com o aprendizado e desenvolvimento de novas metodologias. “A minha interação com a turma aumentou. Consigo fazer com que construam textos e gostem cada vez mais da leitura, pois o material didático é excelente e dinâmico, fazendo com que as crianças gostem de aprender e ficar na escola”, acrescenta a professora, para quem a formação ajuda a trabalhar melhor cada conteúdo de jogos didáticos e de  tecnologias aplicadas em aula.

Segundo Estela Mares, “enquanto houver uma pessoa não alfabetizada, não teremos um país socialmente justo e economicamente desenvolvido. A Seduc trabalha para que isso seja possível no Pará. Alfabetizar nossas crianças é uma contribuição efetiva para o País superar desigualdades, que na Região Norte são mais evidentes. E reafirmar isso é uma boa comemoração do Dia da Criança”.

A vontade de estudar e o carinho pela escola estão presentes na vida de Rebeca Pinheiro, 06 anos, aluna do 1º ano do Ensino Fundamental. “Eu peço para minha mãe que me traga pra escola, porque gosto muito de estar aqui para aprender e ler junto com meus coleguinhas”, afirma a estudante.

Avanços – A aferição dos níveis de alfabetização, assim como o desempenho em Língua Portuguesa e Matemática, entre estudantes do 3º ano do Ensino Fundamental de escolas públicas, que estão concluindo a alfabetização, é realizada pela Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA). Com base nos resultados são feitas as adequações necessárias à melhoria do ensino.

Os avanços e resultados do Pnaic podem ser observados no desempenho de alunos das escolas que possuem o programa, como a Escola Estadual Esther Bandeira Gomes, cujo desempenho na ANA saltou de 2,1 pontos percentuais para 4,0 pontos em 2016. O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) da escola também melhorou, saindo de 2 para 5, de acordo com a medição realizada em 2015.

Outro resultado importante foi no Índice de Desenvolvimento da Educação do Pará (Idepa), obtido a partir do Sistema Paraense de Avaliação Educacional (Sispae), no qual a escola obteve nota 4.97. Esta avaliação é aplicada a cada dois anos nas escolas públicas, para medir proficiência em Português e Matemática dos alunos matriculados nas redes estadual e municipal de ensino.

Esses dados apontam que o Pnaic está contribuindo para a melhoria da qualidade de ensino também no Pará. O Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE) do Ministério da Educação tem estabelecido, como meta, que em 2022 o Brasil tenha uma média do Ideb de 6,0.

Idade certa – Segundo o Ministério da Educação, aos 8 anos de idade as crianças precisam ter a compreensão do funcionamento do sistema de escrita; o domínio das correspondências grafofônicas, mesmo que dominem poucas convenções ortográficas irregulares e poucas regularidades, que exijam conhecimentos morfológicos mais complexos; a fluência de leitura e o domínio de estratégias de compreensão e de produção de textos escritos.

A coordenadora do Ensino Fundamental e Educação Infantil da Seduc, Solange da Silva, destaca a importância das crianças serem alfabetizadas na idade certa. “Estamos garantindo o direito de aprender das crianças. Com a construção de uma base sólida de ensino as crianças terão um processo de escolarização mais tranquilo, menos difícil e com mais possibilidade de sucesso”, ressalta a gestora.




comments icon 0 comments
0 notas
Visto 37
bookmark icon

Escreva um comentário...

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *